sábado, 5 de fevereiro de 2011

"O Galpão está saindo da sua zona de conforto"

por Luciana Romagnolli

Conversei esta semana com o Eduardo Moreira, ator do Grupo Galpão, sobre os ensaios de "Tio Vânia - Aos que Vierem depois de Nós". Transcrevo alguns trechos: 
Eduardo Moreira vai interpretar o médico Ástrov

Estreia
"Passamos por uma primeira fase, ano passado, de estudo das cenas da peça. Foi um trabalho de dois meses sobre os personagens e situações. Agora, estamos na fase da montagem, de levantar o espetáculo, com uma concepção do espaço e do figurnino, um estudo geral da situação da peça. Provavelmente, estreia em começo de abril, não está certo ainda, mas estamos em entendimento para o Festvial de Curitiba. Precisaríamos de mais tempo de ensaio lá, não é o ideial estrear em Curitiba, o ideal é que tivéssemos um tempo mais traquilo para amadurecer o espetaculto aqui no Cinehorto, mas acredito que deva estrear lá sim."

"Tio Vânia"
"É sim uma decorrência de "Moscou" (documentário feito com Eduardo Coutinho, a partir dapeça "As Três Irmãs", do Tchékhov). Claro que, quando convidamos a (diretora) Yara de Novaes, passamos por diversas fases. Tentamos fazer "Volta ao Lar", do Harold Pinter, não conseguimos os direitos. Era desejo do Galpão e da Yara mergulhar em um universo mais intenso de personagens, como Tchékhov propõe: um teatro mais do personagem, do ator. Acabamos encontrando uma adaptação do "Tio Vânia" feita pelo (diretor espanhol) Daniel Veronese: "Espía una Mujer que se Mata". Essa leitura (da peça escrita) veio dentro de uma busca por autores mais contemporâneos, passamos por chilenos, o que nos levou ao "Tio Vânia", voltamos ao Tchékhov... a vida é assim, dá voltas."

"Moscou", documentário de Eduardo Coutinho

Adaptação
"A gente tirou um personagem, a ama, mas as adaptações forma num certo sentido as naturais de um grupo de atores que se debruça sobre uma obra. Acho que mantém estrita fidelidade ao espírito da obra. Tira muito as referências à Russia, é uma situação que poderia estar acontecedo em qualquer propriedade rural do mundo, de Minas Gerais."

Realismo

"É um caminho difícil. O Galpão está, mais uma vez, saindo da sua zona de conforto - ou a mais conhecida, a que domina mais - em busca de uma interpretação realista. Com foi no "Pequenos Milagres" (dirigido por Paulo de Moraes, do Grupo Armazém), mas com uma obra mais completa, porque o "Pequenos Milagres" tinha cenas curtas, agora é uma obra de uma hora e meia com persoagens o tempo inteiro em cena, um mergulho mais profundo. Contamos com a vivência e a contribuição da Yara, que é uma diretora muito inquieta em relação ao teatro. Esse encontro está sendo muito provocativo para nós."

"Pequenos Milagres", montagem dirigida por Paulo de Moraes

Transformação
"A nossa adaptação, provavelmente, vai se chamar "Tio Vânia - Aos que Vierem depois de Nós". A nossa leitura coloca isso tudo (aporia, virada social etc), mas, também por ser uma obra muito completa e cheia de subterfúgios, vai realçar muito uma crença do Tchékhov, a partir desses personagens e situações, de que a arte abre essa possibilidade de transformação do mundo e de criação de um homem mais gentil, bem educado, que se relaciona com a natureza de maneira mais saudável. Tenho lido tudo da obra dele em português e é um autor de uma atualidade incrível, trata de temas, no final do século 19, que parecem escritos para hoje, a questão da miséria do ser humanao, da mulher, da natureza, sempre com essa crença um pouco descrente numa possibilidade de construção de um homem melhor e de uma sociedade mais humana. E a forma (como escreve) é muito atual. Foi tão fundo no naturalismo que colocou a forma num certo paradoxo, numa encruzilhada."

Divisão para montar dois Tchékhov
"Da montagem dos contos (também de Tchékhov, planejada para dezembro), eu não participo. Essa é uma fórmula nova que o grupo está procurando, de criar montagens mais rápidas, com mais agilidade. Promove uma divisão do grupo. Como a próxima estreia em dezembro, no período em que eles estarão montando, nós estaremos viajando. Apesar de que vai ser feita com um diretor russo (Yurij Auschtiz), começa com uma oficina com o grupo inteiro, por ser importante, nesse momento, que as duas montagens dialoguem entre si. A divisão foi natural, uma opção individual de cada ator, e curiosamente foi metade para a primeira e metade para a segunda. Precisávamos de mais uma atriz e convidamos a Mariana Muniz."

Elenco de "Tio Vânia"
Eduardo Moreira: o médico Ástrov
Antonio Edson: tio Vânia
Mariana Muniz: Sônia
Arildo de Barros: Serebriakov
Fernanda Vianna: Helena
Teuda Bara: Maria, mãe do tio Vânia
Paulo André: Teleguine

Um comentário:

paulo disse...

Eu acabei de ver o espetáculo aqui no festival de Curitiba.E depois que sai da peça, a única coisa que me ocorria era sobre o meu medo de que meu filho passe por aqui e não tenha o prazer (interesse) de ler Tchekov.Foi lindo, estava tudo lá, as pausas, as estações do ano, o tempo quase suspenso pela dramaturgia absurdamente atual!Os personagens tão bem construidos.Parabéns, mais uma vez o grupo Galpão encantou e claro, provocou a platéia!